Agricultura Biológica

DEZ RAZÕES PARA ABRAÇAR ESSA IDÉIA

O fracasso da Agricultura Orgânica em conseguir aumentar a área plantada no mundo acima dos ridículos 1,1% ( 1 ) em quase 100 anos de existência, fez com que os agricultores mais progressistas se cansassem de esperar por essa via e buscassem novas alternativas de modelos tecnológicos agrícolas que também respeitassem o meio ambiente.

Inconformados com o fraco desempenho do modêlo orgânico e suas outras vertentes, como agroecologia, agroflorestal, biodinâmica, sintrópica, etc… e não querendo igualmente se engajar na constante destruição do meio ambiente, via agricultura convencional suicida, buscaram esses produtores uma forma de resgatar a idéia original dos fundadores da agricultura orgânica que era a de produzir alimentos de maior valor nutritivo que realmente servissem para nutrir as pessoas, e não, e tão somente, uma suposta isenção de contaminantes químicos, numa época em que a ciência já demonstrou ser essa pretenção praticamente impossível após o advento do glifosato, que hoje está omnipresente (no solo, na agua e no ar) em praticamente todo o planeta ( 2, 3 ).

Desse inconformismo, com ambas correntes de pensamento, foi que surgiu a BioAgronomia ou Agricultura Biológica como uma terceira via que visa além da redução de custos, a sustentabilidade, o respeito ao meio ambiente, a isenção de contaminantes até aonde for possível, a melhoria da qualidade e também a densidade nutricional de frutas e grãos, garantindo dessa forma uma melhor nutrição a todos, o que deveria ser o objetivo maior da produção de alimentos.

Entretanto, existem razões de sobra para abraçarmos a idéia de uma nova agricultura biológica ou BioAgronomia, o que agora passamos a enumerar ( 4 ).

Razão Número 1. O atual modelo químico agrícola atual preenche tranquilamente a definição de insustentabilidade, ou seja, cada vez mais produtos químicos são usados por ano e mesmo assim a pressão de insetos e doenças aumenta ano a ano ( Em 2016 foram usados 1,1 milhões de toneladas de produtos químicos ).

Razão Número 2. Um índice razoável da medida do sucesso de uma sociedade seria o status da saúde das suas crianças. Em um recente estudo americano, que involveu 1.400 escolas infantis, as crianças foram monitoradas para a presença de 13 dos produtos químicos mais utilizados na agricultura. Para horror dos pesquisadores, todas as crianças tinham niveis inaceitáveis de todos aqueles 13 produtos químicos agrícolas.

Razão número 3. A recente tendência em todas as avaliações da vida do solo, revelou uma dizimação de organismos-chave presentes no solo que incluem minhocas, protozoários, digestores de celulose, fixadores de nitrogênio, solubilizadores de fósforo, e vários organismos responsáveis pela solubilização e entrega de nutrientes,
como micorrizas, devido a ação do glifosato, entre outros.

Razão Número 4. A baixa fertilidade do solo significa uma nutrição pobre para os animais e para as pessoas ( Relatório da OMS recente ). A disponibilização dos minerais do solo é uma função do equilíbrio mineral e biológico.

Razão Número 5. A Agricultura Convencional é o maior contribuidor para a produção dos gases que causam o efeito estufa, incluindo 25% da produção mundial de CO2, 60% do metano e 80% do óxido nitroso ( que é 310 vezes mais poluente que o CO2 ).

Razão Número 6. Se o mundo fosse capaz de reduzir em 100% as emissões de CO2 amanhã, então em 200 anos o nosso nível atmosférico voltaria aos níveis de 1975 (que ainda seriam muito elevados). Nós estamos acorrentados em um modo de auto destruição e a única salvação possível seria por meio da própria Agricultura.

Razão Número 7. Créditos de Carbono devido ao aumento de Humus no solo são uma necessidade urgente. O aumento do ter de Humus do solo em apenas 1% nos solos americanos, por exemplo já contribuiria para a remoção de 4,5 bilhões de toneladas dos 8 bilhões de toneladas geradas anualmente pelos EUA.

Razão Número 8. A formação de Humus no solo é um processo biológico, de modo que qualquer ação ou medida que tenha impacto prejudicial nessa formação será considerada como inaceitável a um determinado ponto, e isso incluiria o plantio convencional entre outros.

Razão Número 9. Um sistema agrícola baseado no petróleo e seus derivados (fungicidas, inseticidas, herbicidas, fertilizantes e diesel) tem um prazo de validade bem definido, na medida em que os preços do petróleo continuem a subir indefinidamente. Agricultores mais inteligentes já reconheceram a necessidade de reduzir a sua dependência da petroquímica, reduzindo dessa maneira os seus custos.

Razão Número 10. A paixão pela sua profissão e atividade escolhida, realmente não tem preço. Duvido que alguem, em sã consciência, se sinta inspirado ou gratificado pelo constante envenenamento do seu ambiente de trabalho e do alimento que está sendo produzido. Hoje em dia não existe mais espaço para nenhum tipo de paixão pelos venenos.

É preciso que govêrno e governantes sejam convencidos da necessidade de se usar a verdadeira ciência e a tecnologia para desenvolverem com urgência uma metodologia que possibilite a avaliação do aumento da quantidade de humus gerado no solo com a finalidade de monitoramento desse nível e assim fazendo, do grau de eficiência desses mesmos agricultores em fazer uma agricultura que respeite a natureza e, se for o caso, premiar aqueles que trabalham pelo seu constante incremento.

Os agricultores mais conscientes mereçem, sem sombra de dúvidas, ser remunerados por esse trabalho de auxílio a Natureza e redução dos níveis de carbono atmosférico com base na formação de Humus no solo.

Nesse aspecto ajudaria muito a leitura do artigo “O Mundo sob o nossos pés” também disponível nesse mesmo blog em : https://institutodeagriculturabiologica.org/2016/12/07/o-mundo-embaixo-dos-nossos-pes/

Hoje sabemos que é o Humus do solo quem teria essa capacidade regenerativa de fixar todo esse carbono que foi liberado pela queima desses estoques gigantescos de “ fotossíntese pré-histórica ”, como o saudoso Jerry Brunetti gostava de dizer ( 5 ), representada pelos combustíveis fósseis e dessa forma a produção de Humus, via atividade microbiológica do solo, seria a principal ferramente de que dispõe o agricultor para ajudar o planeta nesse esforço de recuperação ambiental.

Em outras palavras, a solução para o nosso maior problema ambiental, isto é, efeito estufa provocado pela liberação de CO2 , e demais gases, bem como a diminuição de nitrogênio que está acidificando o nível dos mares, reside na própria Agricultura.

A Austrália é um país muito progressista. É talvez o lugar onde exista menos restrições a qualquer tipo de pensamento e de idéias e, talvez seja por isso , que foi lá onde a agricultura orgânica tenha atingido o seu maior nível de aceitação ( 23% das áreas da Australia já são manejadas orgânicamente ).

Foi lá que a Dra. Christine Jones desenvolveu um sistema para acreditação de carbono no solo, para fins de obtenção de créditos referentes a esse sequestro de carbono ( 6 ). Já estaria mais do que na hora de conhecermos melhor esse sistema e tentar adapta-los às nossas condições.

Produzir alimentos limpos, com maior densidade nutricional, e ainda por cima aumentar o teor de Humus no solo, deveria ser o objetivo de qualquer sistema agrícola no presente e no futuro, independente do rótulo.

José Luiz M. Garcia

Fonte: Instituto de Agricultura Biológica

Mandioca – Uma receita

Neste vídeo Ernst Gotsch apresenta uma nova maneira de preparar mandioca. Com um processo semelhante ao da silagem, aproveita 100% da raiz e se beneficia das vantagens nutricionais da fermentação.

Fonte: Agenda Gotsch

Aprenda a fazer compostagem 100% vegetal e gere seu próprio adubo orgânico

A Compostagem 100% vegetal utiliza matérias-primas renováveis e abundantes para obtenção de fertilizantes e substratos orgânicos, também conhecidos como adubos naturais. Aproveita resíduos e subprodutos de origem vegetal, que são isentos ou apresentam reduzida carga de contaminação química e biológica. É uma técnica muito simples, que pode ser utilizada com baixo custo e com reduzido emprego de mão-de-obra.

Fonte: Embrapa

Edital – eScience 2018 e Data Science nas áreas: e-Agricultura

Conduzida conjuntamente por cientistas da área de Computação e Ciências Agrárias

Chamada FAPESP para submissão de propostas de pesquisa no Programa FAPESP de Pesquisa em eScience e Data Science:

Auxílio à Pesquisa – Regular, Auxílio à Pesquisa – Projeto Temático, Auxílio à Pesquisa – Jovens Pesquisadores e Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE)

A presente chamada aceitará a submissão de propostas em e-Agricultura (pesquisa colaborativa conduzida conjuntamente por cientistas da área de Computação e pesquisadores da área de Ciências Agrárias);

Prazo para recebimento de inscrições: 02/07/2018

Saiba mais em: http://www.fapesp.br/11679

Agrofloresta alternativa e cura

Confira este Episódio Especial da série @Orgânico Simples sobre um grupo de pessoas que luta em prol da preservação da água em Belo Horizonte, tendo a Agrofloresta como alternativa à mineração e também como auxílio no tratamentos de saúde coletiva.

Receita de salada para ficar saciada sem sair da dieta

A nutricionista Mariana Ferri d’Ávila, de São José dos Campos, ensina o passo a passo de opções saudáveis e saborosas.

Salada energética

Rendimento: 1 porção
Tempo de preparo: 30 minutos
Calorias: 450

Ingredientes
1 xíc. (chá) de macarrão penne integral
1 dente de alho amassado
1 col. (sobremesa) de óleo de coco
2 col. (sopa) de azeitona-preta sem caroço
3 folhas de manjericão fresco
2 tomates- cereja
3 col. (sopa) de atum light em lata escorrido
2 pimentas – biquinho

Vantagens: o macarrão integral é um carboidrato de baixo índice glicêmico que fornece energia aos poucos. Já a pimenta biquinho tem ação estimulante.

Modo de preparo
Cozinhe o macarrão em água fervente e reserve. Em uma panela, frite o alho no óleo de coco com uma pitada de sal. Misture o macarrão, alho, sal e deixe esfriar. Depois de frio, coloque-o em um recipiente e acrescente o manjericão, os tomates-cereja cortados ao meio, a pimenta-biquinho, o atum e azeitonas.

Agricultura sintrópica desperta o interesse de produtores de todo o país

Olívia estava chateada. Seu pai, Santo, lhe passou um pito daqueles quando, de novo, ela quis mostrar-lhe um projeto de agricultura orgânica. Sentada no bar de Chico Criatura, em Grotas do São Francisco (BA), ela chora, diz que o pai não quer nem escutá-la. Na mesa ao lado, Miguel ouve a conversa e se achega. A menina não quer papo com ele, mas se rende. “Olívia, estou dizendo que tanto o orgânico quanto o convencional extraem mais do que deixam na natureza, e aí o custo fica alto, tanto para o ecossistema como para o produtor. Quem sabe a agricultura sintrópica não seja um caminho melhor?”, indaga o rapaz. A cena fez parte da trama de Velho Chico, novela da TV Globo, e foi ao ar no final de maio.

A personagem de Giullia Buscacio, Olívia, e de Gabriel Leone, o agrônomo Miguel, vivem dramas na ficção. Ele é neto do coronel, grande fazendeiro, e ela, filha de um pequeno produtor, presidente da cooperativa. Se apaixonaram, mas descobriram que eram irmãos. No passado, seus pais viveram um romance proibido e agora eles estavam trilhando o mesmo destino. A verdade apareceu e o casal se afastou. A história, porém, não afastará os sonhos dos dois, empenhados em mudar o modo de cultivar alimentos naquela região do Brasil, o interior da Bahia, castigada por seca, degradação e baixa produtividade agrícola. “A agricultura sintrópica é a maneira da natureza produzir. Respeita a lógica da vida”, diz Miguel.

Pela primeira vez, o tema sintropia, assim, com esse nome, foi exposto ao grande público. O método já é conhecido como sistemas agroflorestais (SAF). Para viverem Miguel e Olívia, os atores foram para o campo aprender sobre a sintropia com o “pai” do sistema, o suíço radicado no Brasil Ernst Götsch, de 68 anos. Participaram de um curso intensivo num sítio no interior do Rio de Janeiro, onde outros agrofloresteiros praticam a técnica. Desde então, atores, Götsch e os produtores, gente que desde 1995 espalha a sintropia pelo Brasil, produzindo alimentos em florestas e ganhando dinheiro com isso, estão trabalhando juntos.

Amor incondicional

Sintropia é o oposto de entropia, que é a medida do grau da desorganização de um sistema. O dicionário define como “elemento que contribui para o equilíbrio organizacional”. A definição vale também para a atividade agrícola. A agricultura sintrópica desenvolvida por Götsch envolve conceitos simples e complexos ao mesmo tempo. Simples porque ela prega trabalhar em harmonia com a natureza, seguindo sua lógica. Complexos porque, para praticá-la, é preciso se desprender de conceitos tradicionais. “A agricultura sintrópica implica produzir alimentos seguindo a lógica natural do sistema com amor incondicional pela vida”, diz Götsch. “Todos os seres que nascem neste planeta têm uma função: os animais, o solo, a água, o vento. Nós, homens, também nascemos como parte do sistema e das funções. Devemos trabalhar agindo em favor dela, e não contra, como tem acontecido ao longo de milhares de anos.” Segundo ele, a forma como a agricultura convencional vem sendo praticada por milhares de anos resultará em escassez e desertificação. “A morte.”

O conceito aprimorado por Götsch é resultado de décadas de trabalho no campo, pesquisa científica e análise da teleologia, a ciência que estuda as finalidades do universo. Cientista, iniciou os experimentos na Suíça, trabalhando com melhoramento genético de forrageiras. Na Alemanha, implantou pela primeira vez um SAF para produzir hortaliças. Na Costa Rica, em 1970, inseriu refugiados nicaraguenses em projetos de agricultura sustentável, até que, em 1982, fincou o pé no Brasil. “Eram terras improdutivas devido à extração intensiva de madeiras, cultivo de mandioca nos morros e abertura de pastos com fogo para a pecuária”, lembra Götsch sobre a fazenda de 500 hectares que comprou com um sócio em Piraí do Norte, cidadezinha distante 180 quilômetros de Ilhéus (BA).

A área chamava-se Fugidos da Terra Seca. Hoje, é Fazenda Olhos d’Água, com 350 hectares de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), 120 hectares de Reserva Legal (RL), 10 hectares de lavouras e 14 nascentes recuperadas. “Não dei esse nome. Em 1953, a fazenda chamava-se Olhos d’Água, mas, com o tempo, virou Terra Seca. Com a recuperação do solo, os olhos d’água voltaram”, diz o cientista, que se orgulha mesmo é de ser chamado de agricultor.

Conheça a agricultura sintrópica

Um sistema que junta, na mesma área, a produção de hortaliças, frutas e madeira. É a agricultura sintrópica, que também recupera áreas degradas e protege o meio ambiente. O Globo Rural visitou a fazenda de Ernst Götsch, criador desse sistema. Ele nasceu nas Suíça, onde estudou e trabalhou com melhoramento genético. (Assista aos vídeos)

Entretanto, ele foi virar agricultor e pesquisador do outro lado do oceano. Passou pela Costa Rica e chegou ao Brasil nos anos 80. Em Piraí do Norte (BA), comprou terra barata, mas com um nome assustador: Fazenda Fugidos da Terra Seca. Área desmatada, explorada com cultivo de mandioca e criação de suínos e depois, abandonada. “O nosso problema no início era água”, explica o agricultor.

Já faz tempo que a propriedade recuperou o nome original, descoberto em documentos antigos: Fazenda Olhos D’Água. A vegetação foi recomposta, o solo recuperado, com agricultura associada a floresta: a agrofloresta.

A definição de sintropia é o contrário de entropia, termo associado a desorganização, degradação de sistemas, a perdas de energia. A agricultura sintrópica propõe reordenar, restaurar o ambiente natural, a floresta. São ideias que atraem, a cada ano, centenas de pessoas para os cursos oferecidos por Ernst e o agricultor Henrique Souza.

Fonte: Globo Rural